William Moulton Marston

William Moulton Marston, fundador do DISC

William Moulton Marston criou as teorias fundamentais por trás da análise comportamental DISC. Mas isso é apenas parte da história. 

Ele viveu de 1893 a 1947. Apesar do fato de que ele faleceu há mais de 60 anos, ele continua a ser a força motriz por trás de algumas das realizações científicas, acadêmicas e literárias mais importantes do século XX.

Dizer que Marston era um homem de muitos talentos seria um eufemismo. Durante o curso de sua vida, Marston encontrou sucesso em muitas áreas diferentes de estudo, criando trabalhos influentes e aclamados pela crítica como psicólogo, inventor e autor. Ele também era advogado, filósofo e defensor dedicado aos direitos das mulheres. Até hoje, Marston é conhecido como um pensador progressista, sempre procurando expandir os limites das formas tradicionais de observar a ciência, a arte e a cultura.

William Marston e o DISC

O trabalho de Marston com o DISC foi um produto de seu interesse ao longo da vida no estudo das emoções humanas. Graduado na Harvard com um PhD em Psicologia, ele publicou um livro em 1928 chamado As Emoções das Pessoas Normais. Nele, Marson delineou os princípios fundamentais do DISC. O livro foi baseado em anos de experimentação clínica e análise, e incluiu muitas das características do DISC ainda hoje utilizadas: o uso de eixos, as teorias sobre o comportamento sendo ligado ao ambiente e os padrões comportamentais que ele referiu como Dominância (D), Indução (I), Submissão (S) e Conformidade (C). Três anos depois, Marston continuou seu trabalho com o DISC publicando o livro Psicologia Integrativa. Nele, Marston discutiu as ligações entre emoção, personalidade, motivação, aprendizado e memória – conexões que se tornaram componentes-chave dos modernos testes DISC.

William Marston: Pai do Polígrafo

Ao longo de seus estudos, Marston notou uma ligação entre a emoção e a pressão sanguínea. Isso inspirou Marston a criar uma versão inicial do moderno polígrafo, ou o que comumente se tornou conhecido como o “detector de mentiras”. O processo era simples, mas eficaz: Marston tomava e registrava a pressão sangüínea de um sujeito e liberava o manguito de pressão arterial. Ele então fazia uma pergunta ao sujeito e registrava a pressão sangüínea do paciente uma segunda vez para identificar quaisquer alterações. Marston chamou isso de “método descontínuo” de identificar o engano. Marston recebeu grande aclamação por sua invenção e foi frequentemente trazido por agências policiais para consultar casos de destaque.

Quando o filho do aviador Charles Lindbergh foi seqüestrado na década de 1930, William Marston ajudou a família usando seu polígrafo para questionar possíveis suspeitos.

DC Comics e Mulher Maravilha
Marston também foi um escritor prolífico. Além de As Emoções das Pessoas Normais e Psicologia Integrativa, ele também publicou um grande número de livros e ensaios para o público científico e popular. Como colunista de jornal, escreveu sobre o florescente Movimento dos Direitos da Mulher e tornou-se conhecido por ter escrito vários artigos influentes de revistas em apoio ao movimento inicial dos direitos das mulheres. Um autoproclamado feminista, Marston era um defensor sincero do controle de natalidade, dos direitos de voto e do avanço de carreira das mulheres.

Um grande fã da literatura grega e romana clássica, Marston combinou essas histórias junto com seu sistema de crenças feministas na criação de uma personagem feminina icônica, projetada para incorporar a forte mulher moderna que Marston defendeu: a Mulher-Maravilha. Embora a parte inicial de sua vida tenha sido dedicada ao estudo das emoções e à publicação de estudos psicológicos, os últimos seis anos de sua vida foram dedicados a escrever para a DC Comics sob o pseudônimo Charles Mouton. Marston escreveu o texto para os quadrinhos da Mulher-Maravilha a partir do momento em que apareceu pela primeira vez em 1941, até sua morte em 1947. Como reforço do status icônico da Mulher-Maravilha no campo dos quadrinhos, em 2006 Marston recebeu a honra de ser postumamente indicado ao Hall da Fama do Prêmio Will Eisner.

Influência Duradoura de Marston

A carreira profissional de Marston foi interessante e variada. Ele era um pensador independente que marchava ao ritmo de seu próprio tambor. Numa época em que a maioria dos psicólogos optou por se concentrar no campo mais “chamativo” da psicologia anormal, Marston estava profundamente interessado na maneira como as emoções cotidianas são mais comumente expressas. Sem sua pesquisa, seus textos e suas ideias, a avaliação da personalidade DISC , como a conhecemos hoje, não existiria.

“Descubra o que você realmente quer. Isso te impede de correr atrás do vento e te coloca para trabalhar cavando ouro.”

– William Marston